Posts Tagged: ramalho ortigão

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (168)

JANTAR LITERÁRIO NA FOZ DO DOURO, PORTO   – CAMILO, EÇA e RAMALHO VIERAM JANTAR CONNOSCO – ACONTECEU no DIA 3 de FEVEREIRO, na TASCA DO BAIRRO Por iniciativa da Associação Cultural “O PROGRESSO DA FOZ” e da “FOZ LITERÁRIA”, realizou-se,

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (168)

JANTAR LITERÁRIO NA FOZ DO DOURO, PORTO   – CAMILO, EÇA e RAMALHO VIERAM JANTAR CONNOSCO – ACONTECEU no DIA 3 de FEVEREIRO, na TASCA DO BAIRRO Por iniciativa da Associação Cultural “O PROGRESSO DA FOZ” e da “FOZ LITERÁRIA”, realizou-se,

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (106)

O ESTÁDIO SALAZAR Em 1969 construíram um estádio para jogos na cidade do Porto, e fizeram-no em Ramalde. A sua inauguração, ocorreu no dia 27 de Abril de 1969 (data do 80º aniversário de Salazar), com a presença do Chefe

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (106)

O ESTÁDIO SALAZAR Em 1969 construíram um estádio para jogos na cidade do Porto, e fizeram-no em Ramalde. A sua inauguração, ocorreu no dia 27 de Abril de 1969 (data do 80º aniversário de Salazar), com a presença do Chefe

COMEMORAÇÕES DO CENTENÁRIO DA MORTE DE RAMALHO ORTIGÃO – CONVITE

Ramalho Ortigão   Ramalho Ortigão foi um grande escritor Português, nascido no Porto em 24 de Novembro de 1836, e falecido em Lisboa em 27 de Setembro de 1915, pelo que se comemora por estes dias, o centenário da sua

COMEMORAÇÕES DO CENTENÁRIO DA MORTE DE RAMALHO ORTIGÃO – CONVITE

Ramalho Ortigão   Ramalho Ortigão foi um grande escritor Português, nascido no Porto em 24 de Novembro de 1836, e falecido em Lisboa em 27 de Setembro de 1915, pelo que se comemora por estes dias, o centenário da sua

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (105)

A CASA DA QUINTA DOS MITRA   Em Campanhã, havia várias quintas. De cariz eminentemente agrícola, Campanhã é bordejada pelo rio Douro, e, pelo seu vale passam ainda os (outrora) lindíssimos rios Tinto e Torto. Não é de estranhar, por

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (105)

A CASA DA QUINTA DOS MITRA   Em Campanhã, havia várias quintas. De cariz eminentemente agrícola, Campanhã é bordejada pelo rio Douro, e, pelo seu vale passam ainda os (outrora) lindíssimos rios Tinto e Torto. Não é de estranhar, por

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (101)

Ramalho Ortigão Ramalho Ortigão foi um grande escritor Português, nascido no Porto em 24 de Novembro de 1836. RAMALHO ORTIGÃO Envolveu-se na “Questão Coimbrã” com o folheto “Literatura de hoje”, acabando por enfrentar Antero de Quental, a quem chamou de

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (101)

Ramalho Ortigão Ramalho Ortigão foi um grande escritor Português, nascido no Porto em 24 de Novembro de 1836. RAMALHO ORTIGÃO Envolveu-se na “Questão Coimbrã” com o folheto “Literatura de hoje”, acabando por enfrentar Antero de Quental, a quem chamou de

NO CENTRO CULTURAL DE BELÉM, DIA 8 DE FEVEREIRO,ÀS 15 H, FALA-SE DE RAMALHO ORTIGÃO

É no dia 8 Fevereiro, das 15:00 às 18:00, na sala Almada Negreiros, com entrada livre, que se irá abordar a figura de Ramalho Ortigão.   Ramalho Ortigão (1836-1915) A personalidade de Ramalho Ortigão é, no nosso século XIX, exemplo

NO CENTRO CULTURAL DE BELÉM, DIA 8 DE FEVEREIRO,ÀS 15 H, FALA-SE DE RAMALHO ORTIGÃO

É no dia 8 Fevereiro, das 15:00 às 18:00, na sala Almada Negreiros, com entrada livre, que se irá abordar a figura de Ramalho Ortigão.   Ramalho Ortigão (1836-1915) A personalidade de Ramalho Ortigão é, no nosso século XIX, exemplo

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (28)

  Quando atravessamos uma praça, percorremos uma rua ou dobramos uma qualquer esquina, raramente nos lembramos que o nome que ostentam tem a ver com uma qualquer personagem ou um qualquer facto da nossa história, sejam eles recentes ou antigos.

UMA CARTA DO PORTO – Por José Magalhães (28)

  Quando atravessamos uma praça, percorremos uma rua ou dobramos uma qualquer esquina, raramente nos lembramos que o nome que ostentam tem a ver com uma qualquer personagem ou um qualquer facto da nossa história, sejam eles recentes ou antigos.

UMA CARTA DO PORTO – Por José Fernando Magalhães (20)

O PASSEIO ALEGRE, AS PALMEIRAS E A TREMELIQUEIRA Foi local de romaria nocturna durante algumas dezenas de anos. Era vê-los, alinhados, lado a lado, à espera que o fenómeno acontecesse. E acontecia todas as noites do ano. Sem falhar, pontualmente,

UMA CARTA DO PORTO – Por José Fernando Magalhães (20)

O PASSEIO ALEGRE, AS PALMEIRAS E A TREMELIQUEIRA Foi local de romaria nocturna durante algumas dezenas de anos. Era vê-los, alinhados, lado a lado, à espera que o fenómeno acontecesse. E acontecia todas as noites do ano. Sem falhar, pontualmente,